SEJA BEM VINDO

11/04/2018

OS 8 SINAIS DA TIBIEZA E A PENA PELA MEDIOCRIDADE NA PRÁTICA DA VIRTUDE


Os sinais da tibieza em geral são os oito seguintes:
1. Omissão fácil das práticas de piedade
A alma fervorosa tem a sua vida de piedade toda dirigida por um regulamento particular fácil de ser observado e bem criterioso. Não omite facilmente qualquer prática de piedade. E’ de uma fidelidade extrema, sobretudo à meditação. Se graves ocupações ou verdadeira necessidade a impedem, procura, logo que seja possível, suprir a falta. A alma tíbia sob qualquer pretexto omite os exercícios de piedade, passa dias sem meditação, e até mesmo sem práticas de piedade de qualquer espécie. Ora, isto é exatamente o contrário do fervor. “Não digo que isto prove tudo, diz o Pe. Faber, mas prova muito. Seja como for, sempre que existir tibieza, existirá este sintoma”.
2. Fazer os exercícios de piedade com negligência
Na tibieza também há oração, missas, confissões, comunhões, terços, etc., mas a rotina vai inutilizando tudo. A rotina e a má vontade. Confissões e comunhões mal preparadas, orações com inúmeras distrações voluntárias. E o pior ainda a falta de generosidade e de todo esforço para se corrigir.
3. Outro sinal de tibieza é a alma sentir-se aborrecida com o pensamento de que tudo vai mal na sua vida espiritual. Não se sente inteiramente à vontade com Deus. Não sabe exatamente onde está o mal, mas tem certeza de que tudo não está em ordem. É um mal-estar, um aborrecimento interior. E, sem paz, o tíbio se agita inutilmente e vai deixando arraigar-se no coração o hábito do pecado venial. Este sinal anda sempre com os dois primeiros. Desde que faltou generosidade numa alma para ser fiel aos seus deveres de piedade, estas omissões e negligências acabam deixando-a num estado lamentável de aborrecimento das coisas santas e até de Nosso Senhor.
4. O quarto sinal é agir sem pureza de intenção, sem ordem nem método. A pureza de intenção consiste em fazermos com um fim honesto e sobrenatural todas as ações de nossa vida: práticas de piedade, deveres de estado, trabalhos de cada dia ou qualquer coisa por mínima que seja. É aquele olhar interior sempre fixo em Deus e desviado das criaturas. Tudo fazer para a glória de Deus, e ver em tudo a vontade de Deus e a ela se submeter com espírito de fé e resignação. Eis a mais pura intenção que se pode imaginar, o mais elevado princípio e o mais perfeito ideal de uma alma fervorosa. Os santos não tinham outro motivo nem visavam outro fim na terra. Santa Madalena de Pazzi sentia-se arrebatada em êxtase, ouvindo esta palavra: — A vontade de Deus! Santo Inácio legou à Companhia de Jesus, como rica herança, o seu lema: A. M. D. G. — Ad majorem Dei gloriam — Tudo para a maior glória de Deus! A pureza de intenção é a alquimia celeste que transforma em ouro de méritos para o céu todas as nossas boas obras. Sem ela, perdemos cada dia riquezas incomensuráveis. A alma tíbia faz tudo por amor próprio e capricho, seguindo em tudo a natureza. É a leviandade, a preocupação da vontade própria, os cálculos muito humanos, a vaidade quando faz o bem, o desejo de agradar às criaturas e de aparecer. Anda à cata de bajulações e aborrece o sacrifício oculto, a abnegação e outras virtudes que não brilham aos olhos das criaturas e constituem o segredo do Rei! E Deus recompensa as nossas ações, diz Santa Madalena de Pazzi, a peso de pureza de intenção. Ó, como a tibieza rouba e despoja a pobre alma, quando lhe arrebata a pureza de intenção!
5. Contentar-se com a mediocridade e negligência em formar hábitos de virtude. Se a mediocridade já é desastrada na ciência, na literatura e na arte, o é em proporção verdadeiramente calamitosa quando se trata da prática da virtude. O medíocre não gosta da palavra: Santidade. Não compreende o heroísmo das almas generosas, a abnegação, o sacrifício. Para ele, a virtude heroica é o exagero! A santidade é um misticismo! E que entende por misticismo? Algo de loucura e de anormal. Contenta-se com o meio termo. E assim não se esforça por adquirir hábitos de uma virtude sólida.
6. O desprezo das pequenas coisas.
Os santos fugiam das menores imperfeições, e se purificavam cada dia das pequeninas faltas. O tíbio, não. Ri-se do que ele chama escrúpulo das almas fervorosas: — a fidelidade nas pequenas coisas. E não nos esqueçamos destas grandes verdades: primeira — os santos se tornaram santos pela repetição contínua duma multidão de ações insignificantes, pelo cuidado infatigável das pequeninas coisas. E segunda: — só fizeram eles grandes coisas quando chegaram à santidade. Os pequeninos sacrifícios ocultos, as pequeninas cruzes, as pequeninas virtudes, as pequeninas mortificações, tudo isto a cada dia, a cada minuto, aceito com generosidade, como santifica uma alma! E’ o caminho batido de S. Teresinha, a pequenina via da Infância espiritual. Que fonte riquíssima de graças! A tibieza, porém, seca esta fonte, esteriliza a vida espiritual, sonha com êxtases e comete cada dia o pecado quase sem remorso. E os pecados veniais, sob o disfarce de pequeninas faltas inevitáveis à fraqueza humana, vão se multiplicando assustadoramente na alma e alimentando a tibieza até ao pecado mortal e, sabe Deus, até ao endurecimento do coração! É muito grave desprezar habitualmente as pequeninas coisas. São Gregório chega a dizer que se deve ter mais receio das pequenas faltas que das grandes. Porque estas provocam logo o arrependimento e causam horror; aquelas não assustam, e vão preparando surdamente a ruína espiritual. E, o que é pior, sem remorso da consciência, e até sob a capa da virtude.
7. É pensar mais no bem já feito do que no bem que ainda resta a fazer. É uma presunção que leva a descansar e afrouxar no caminho do sacrifício e da virtude, porque julga ter feito alguma coisa no passado para a salvação. Nada de esforço e generosidade. Nosso Senhor dizia no seu Evangelho que, depois de termos feito muito, deveríamos dizer: — somos servos inúteis. E prosseguir na luta, porque o ideal da perfeição é o Infinito: “Sede perfeitos como vosso Pai Celeste é perfeito”. A tibieza, como já dissemos, contenta- se com a mediocridade. Julga ter feito muito a alma tíbia, porque no passado foi bem fervorosa e trabalhou pela sua santificação, lutou, praticou boas obras de zelo e de caridade, sacrificou-se na luta do bem. Agora, quer repouso. Descansa, não luta mais, deixa-se ficar na indolência e faz de seu coração o campo do preguiçoso. São Paulo pensava justamente o contrário: “Irmãos meus, não considero que alcancei o prêmio, mas uma coisa eu faço: esquecendo o que está atrás de mim, esforçando-me por alcançar o que está na minha frente, prossigo até ao alvo, para alcançar o prêmio para o qual me chamou do Alto por Cristo Jesus. Sejamos nós, quantos queremos ser perfeitos, do mesmo espírito” (Fl 3, 13). O tíbio não se compara aos mais santos e fervorosos, mas sempre se julga melhor do que tantos outros piores do que ele. E é assim que adormece tranquilamente. Não quer progredir na virtude. São Gregório compara a vida cristã a uma barca em que se navega contra a corrente. Quem sobe, há de remar sempre, ou é arrastado pela correnteza. Santo Agostinho, no seu estilo incisivo e claro, assim fala: — “se dizes: basta, estás perdido!” Sim, no dia em que se cruzam os braços na luta pela santificação da alma, tudo está perdido! Adeus, santificação, e talvez: Adeus, salvação eterna! São Bernardo pergunta: — Não quereis adiantar? Dizeis: — quero ficar e viver onde cheguei? Quereis o impossível! O demônio, diz Santa Teresa, conserva muitas almas no pecado ou na tibieza, fazendo-as crer que é orgulho aspirar à santidade. Que perigosa ilusão! Lembrem-se os tíbios, sobretudo se já receberam graças de Nosso Senhor, como por exemplo sacerdotes, religiosos e almas consagradas a Deus, oh! lembrem-se de que é terrível abusar da graça e muitas almas chamadas à santidade, diz o Pe. Desurmont, baseado em Santo Afonso, ou se salvam como santos ou arriscam a sua eterna salvação. Escreveu o Santo Doutor: Se alguém na vida religiosa (e poderíamos acrescentar: na vida de piedade) quer se salvar, mas não como santo, corre o risco de se perder.
Todos estes sinais de tibieza andam em geral com este último e infalível:
8. Pecado venial voluntário e habitual. Os outros sinais podem ser atenuados ou alguns falham, mas este é infalível. Onde existe o hábito do pecado venial, existe a tibieza com todo o cortejo de males e desgraças que ela acarreta à vida espiritual.
[Por Monsenhor Ascânio Brandão]
https://capelasantoagostinho.com/2018/04/09/os-8-sinais-da-tibieza-e-a-pena-pela-mediocridade-na-pratica-da-virtude/?d=121872069

PREPARAÇÃO PARA A ORAÇÃO MENTAL – MEDITAÇÃO X: DO AMOR DE DEUS




Imagem relacionada

Vamos conversar com Deus sobre o importantíssimo negocio da salvação das nossas almas; porem, para que os nossos infernais inimigos não nos embaracem, armemo-nos primeiro com o sinal da Cruz, dizendo com vivíssima fé: Pelo sinal da Santa Cruz, etc…

Feito o sinal da Cruz, digamos:

Espíritos tentadores e demônios malditos apartem-vos de mim e deste lugar para as profundezas do inferno, e não me estorveis nesta oração, dirigida para a honra e glória de Deus, e salvação da minha alma.

Façamos atos da presença de Deus.

Eu creio meu Deus e Senhor, firmemente, que vós estais aqui presente, dentro de mim, penetrando no meu interior, presenciando ainda os mais ocultos pensamentos do meu coração, sem que eu me possa esconder aos vossos puríssimos olhos; porém (prostrem-se) prostrado por terra com o corpo e com a alma, unido ao mesmo pó, me humilho na vossa divina presença desejo adorar-vos como adora a Maria Santíssima, os anjos e os santos do céu e os justos da terra: – Porem, ai de mim, oh meu Deus! Eu pequei, Senhor, perdoe-me, que eu proponho de me emendar e de não tornar mais a pecar. (levantem-se da prostração)

Ato de petição

Pai Eterno pelo sangue de Jesus Cristo e pelas dores de Maria Santíssima conceda-me as luzes, auxílio e graças para fazer bem e com fruto essa meditação. (Rezar um Pai Nosso e Uma Ave Maria)

Leiam-se agora os pontos da meditação, um de cada vez; e quando se encontrarem esses pontinhos (…) deve-se parar por algum tempo, a fim de se ponderar bem o sentido do que se tiver lido; e depois de cada ponto se ficará em silencio, meditando, pelo menos, dez minutos, de maneira que a meditação dos três pontos perfaça, pelo menos, meia hora; e ultimamente se darão graças ao Senhor.

Breve método da oração

MEDITAÇÃO X – DO AMOR DE DEUS

Ponto 1• Considera no grande amor com que Deus te ha amado e enriquecido de benefícios. Por teu amor criou o céu e a terra, e há preparado o reino da bem aventurança ; e para o gozares determinou que nascesses no seio da Igreja, e logo te recebeu nos braços ? lavou-te com seu sangue, e te aceitou por filho por meio do batismo, pelo qual te adornou com a cândida vestidura da inocência, com o brilhante das virtudes e com outros mil preciosos dons, ficando tu mais rico do que os maiores monarcas, que não receberam este sacramento !!… A tanta munificência do amor do teu Deus, com que tens correspondido ? !… A quem tens tu amado ? A teu Deus, ou ás criaturas ?.. A teu Deus, ou ao mundo ? A teu Senhor, ou ao demônio ? !.. Ah ! ingrato que só tens amado as criaturas, os prazeres e a ti mesmo, e só ao teu amigo, ao teu benfeitor, ao teu Pai não tens amado !.. Acabem hoje, pecador, esses dias desgraçados, com que tanto tens desprezado o amor de teu Deus. Pede-lhe auxílios, perdão e misericórdia.

Ponto 2• Considera que, não satisfeito o Eterno Pai com o benefício de criar o céu e a terra para  Filho Divino, igualmente abrasado em amor, á força de tormentos e de uma afrontosa morte pagou as dividas que tu havias contraído com a divina justiça, e te resgatou com seu precioso sangue!.. E não satisfeito ainda, o amante Coração de Jesus depois de tanto sofrimento quiz dar se todo a ti no Santíssimo Sacramento, e oferece-se todos os dias no santo sacrifício a seu Pai, para te alcançar o perdão, e conseguir todas as graças que te são necessárias!!.. E que apreço tens tu dado a tão grande amor?!.. Ah ! ingrato, que tão desagradecido tens sido aquela misericórdia que impelia ao Senhor a encher-te de benefícios. Abomina, alma católica, abomina a vida passada; converte-te ao Senhor e pede-lhe que o abrase nas agradáveis chamas do seu infinito amor, infundindo-te uma viva dor das culpas passadas, e recebendo-te nos braços da sua misericórdia.

Ponto 3°. Considera que o teu Deus também quiz que o Divino Espirito-Santo habitasse dentro de teu peito, para te consolar com seus dons, e santificar-te com seus frutos!.. Tão grande é o amor com que o Senhor te ama, que te deu para Mãe aquela mesma que era sua, a fim de que por via de tão amorosa Mãe pudesses chegar com toda a confiança a sua Majestade Soberana, e conseguisses por Maria remedio para teus males, e copiosas graças e benefícios !.. Deu-te anjos para defensores, santos por advogados, e entre estes, está prodigalizando benefícios pela intercessão do glorioso Afonso, valendo prontamente a todos os que com fé viva, humildade e perseverança recorrem ao céu por sua intervenção.. E com que hás de agradecer ao Senhor tantos benefícios?.. Pede á Santíssima Virgem Maria, aos serafins, aos santos do céu e ás almas, que cá na terra amam a Deus, que já que tu não podes pagar tanto amor, supram as tuas faltas, agradecendo,  glorificando e amando ao teu Benfeitor. Lembra-te com frequência dos benefícios de Deus, oferece-lhe as boas obras em ação de graças, e não deixes passar dia ou hora em que lhe não agradeças os benefícios passados, e peças perdão e misericórdia.

Goffiné – Manual do Cristão

http://catolicosribeiraopreto.com/preparacao-para-a-oracao-mental-meditacao-x-do-amor-de-deus/#more-12930

10/04/2018

COMO AS PALAVRAS DE DEUS DEVEM SER OUVIDAS COM HUMILDADE E COMO MUITOS NÃO AS PONDERAM




Resultado de imagem para cabisbaixoJesus: Ouve, filho, as minhas palavras, palavras suavíssimas que excedem toda a ciência dos filósofos e sábios deste mundo. As minhas palavras são espírito e vida (Jo 6,64), e não se devem interpretar humanamente. Não devem ser abusadas para vã complacência, mas devem ser ouvidas em silêncio e recebidas com máxima humildade e grande afeto.

A alma: E disse eu: Bem-aventurado o homem a quem instruís, Senhor, e lhe ensinais a vossa lei, para suavizar-lhe os dias maus e dar-lhe consolo neste mundo (Sl 93, 12.13).

Jesus: Eu, diz o Senhor, desde o princípio ensinei aos profetas e ainda agora não cesso de falar a todos; mas muitos são insensíveis e surdos à minha voz. A muitos agrada mais a voz do mundo que a de Deus; mais facilmente seguem os apetites da carne que o preceito divino. O mundo promete apenas coisas temporais e mesquinhas e é servido com grande ardor; eu prometo bens sublimes e eternos, e só encontro frieza nos corações dos mortais. Quem há que me sirva e obedeça em tudo com tanto empenho como se serve ao mundo e aos seus senhores? Envergonha-te, Sidon, diz o mar (Is 23, 4). E se queres saber por que, ouve o motivo: Por um pequeno salário se empreendem grandes viagens, e pela vida eterna muitos nem dão um passo sequer. Busca-se o lucro vil; por um vintém, às vezes, há torpes brigas; por uma ninharia e promessa mesquinha não se teme a fadiga, nem de dia, nem de noite.

Mas que vergonha! Pelo bem imutável, pelo prêmio inestimável, para honra suprema e pela glória sem fim, o menor esforço nos cansa. Envergonha-te, pois, servo preguiçoso e murmurador, por serem os mundanos mais solícitos para a perdição que tu para a salvação. Procuram eles com mais gosto a vaidade que tu a verdade. Entretanto, não raro, sua esperança os engana; mas minha promessa a ninguém falta, nem despede com as mãos vazias ao que em mim confia. Darei o que prometi, cumprirei o que disse, contanto que se persevere fiel no meu amor até ao fim. Eu sou quem remunera todos os bons e sujeita a provas duras todos os devotos.

Grava minhas palavras em teu coração e medita-as atentamente, porque te serão muito necessárias na hora da tentação. Coisas que agora não entendes quando lês, entenderás quando eu te visitar. De dois modos costumo visitar meus eleitos: pela tentação e pela consolação. E duas lições lhes dou cada dia: numa repreendo-lhes os vícios e noutra exorto-os ao progresso na virtude. Quem ouve a minha palavra e a despreza, por ela será julgado no último dia.

Oração para implorar a graça da devoção: A alma: Meu Senhor e meu Deus! Vós sois todo o meu bem. E quem sou eu para me atrever a falar-vos? Eu sou vosso paupérrimo servo, um vil vermezinho, muito mais pobre e desprezível do que sei e ouso dizer. Lembrai-vos, Senhor, de que sois bom, justo e santo; vós tudo podeis, tudo dais, tudo encheis, e só ao pecador deixais vazio. Lembrai-vos de vossas misericórdias (Sl 24,6) e enchei meu coração com a vossa graça, pois não quereis que sejam infrutuosas vossas obras.

Como poderei eu, nesta miserável vida, suportar-me a mim mesmo, se não me confortar vossa graça e misericórdia? Não desvieis de mim a vossa face, não demoreis a vossa visita, não me tireis o vosso consolo, para que não fique a minha alma diante de vós qual terra sem água (Sl 142, 6). Ensinai-me, Senhor, a fazer vossa vontade (Sl 142, 10), ensinai-me a andar em vossa presença, digna e humildemente; pois vós sois minha sabedoria, que em verdade me conheceis antes de ser feito o mundo, e antes de eu nascer na terra.

Imitação de Cristo – Tomás de Kempis

http://catolicosribeiraopreto.com/como-as-palavras-de-deus-devem-ser-ouvidas-com-humildade-e-como-muitos-nao-as-ponderam/#more-11999

VAIDADE DO MUNDO




vaidade

vaidadeQuid prodest homini, si mundum universum lucretur, animae vero suae detrimentum patiatur? — “Que aproveita ao homem ganhar o mundo inteiro, se vier a perder a sua alma:” (Matth. 16, 26.)

Sumário. Os nossos parentes e amigos que estão na eternidade, lá da outra vida nos recomendam que não diligenciemos alcançar neste mundo senão os bens que nem mesmo a morte nos faz perder. Com efeito, de que aproveita ganharmos o mundo inteiro, se depois perdermos a alma? Perdida a alma, perdemos tudo! Penetrados desta grande máxima, quantos jovens se resolveram a encerrar-se nos claustros, quantos anacoretas a viver nos desertos, quantos mártires a dar a vida por Jesus Cristo!

*******************************

Um filósofo antigo, de nome Aristipo, fez em certa ocasião uma viagem por mar. O navio naufragou e o filósofo perdeu todos os seus bens, mas arribou felizmente à praia. Como era muito conhecido pelo seu saber, os habitantes do país o indenizaram de tudo que tinha perdido. Pelo que escreveu depois aos amigos da pátria que, avisados pelo seu exemplo, se premunissem somente daqueles bens que nem com o naufrágio se perdem. É isto exatamente o que lá do outro mundo nos recomendam os parentes e amigos que estão na eternidade: isto é, que não diligenciemos alcançar neste mundo senão os bens que nem a morte nos faz perder.

De que nos serve, diz Jesus Cristo, ganhar o mundo inteiro, se na morte, perdida a alma, perdemos tudo? Quid prodest homini, si universum mundum lucretur? Penetrados desta grande máxima, quantos jovens resolveram encerrar-se nos claustros, quantos anacoretas foram viver no deserto, quantos mártires deram a vida por Jesus Cristo! — Com esta máxima Santo Inácio de Loyola ganhou muitas almas para Deus; especialmente a bela alma de São Francisco Xavier, que estando em Paris se entregava a projetos mundanos. “Francisco”, disse-lhe um dia o Santo, “pensa que o mundo é traidor, que promete e não cumpre. Ainda quando cumprisse o que te promete, nunca poderia contentar-te o coração. Suponhamos que te contente: quanto tempo durará a tua felicidade? Mais que a vida? E afinal, o que poderás levar para a eternidade? Há porventura algum rico que tenha levado consigo uma moeda sequer, ou um criado para a sua comodidade? Há porventura algum rei que tenha levado consigo um fio de púrpura como distintivo?”

Tocado destas reflexões, Francisco renunciou ao mundo, seguiu Santo Inácio; e se fez santo. Vanitas vanitatum — “Vaidade das vaidades!” — era assim que Salomão chamava a todos os bens do mundo, depois de não se ter recusado prazer algum dos que o mundo pode oferecer: Vanitas vanitatum, et omnia vanitas (1) — “Vaidade das vaidades, e tudo é vaidade!”

Procuremos viver de maneira que se nos não possa dizer na morte o que foi dito àquele egoísta do Evangelho:Stulte, hac nocte animam tuam repetent a te, quae autem parasti, cuius erunt?(2) — “Insensato, vais morrer, e que será feito dos bens que amontoaste?” Procuremos ser ricos não em bens mundanos, mas em Deus, em virtudes e em merecimentos, bens estes que nos acompanharão para sempre no céu. Numa palavra, cuidemos adquirir o grande tesouro do amor divino; pois que, no dizer de Santo Agostinho, embora estejamos de posse de todas as riquezas, seremos os mais pobres do mundo, senão possuirmos a Deus; o pobre, porém, que possui a Deus pelo amor, possui tudo.

Ah, meu Jesus, meu Redentor! Graças Vos dou por me terdes feito conhecer o meu desvairamento e o mal que fiz, voltando as costas a quem por mim sacrificou o sangue e a vida. Em verdade que não merecíeis da minha parte ser tratado como Vos tratei. Se a morte me surpreendesse nesta hora, que haveria em mim senão pecados e remorsos de consciência, que me fariam morrer em grande inquietação? Meu Salvador, confesso que fiz mal abandonando-Vos, o supremo Bem, pelas miseráveis satisfações deste mundo. Do fundo do coração me arrependo. Ah! Por essa dor que Vos fez morrer na cruz, dai-me tão grande dor de meus pecados que me faça chorar durante o resto da minha vida os agravos que contra Vós cometi. Meu Jesus, meu Jesus, perdoai-me; prometo nunca mais desagradar-Vos e amar-Vos sempre.

Senhor, não sou mais digno de vosso amor, porque o desprezei tanto no passado; mas Vós dissestes que amais a quem Vos ama: Ego diligentes me diligo (3). Amo-Vos; amai-me, pois, também. Não quero mais estar na vossa desgraça. Renuncio a todas as grandezas e gozos do mundo, contanto que me ameis. Meu Deus, atendei-me por amor de Jesus Cristo. Ele Vos pede que não me repilais do vosso coração. A Vós me consagro sem reserva; sacrifico-Vos a minha vida, as minhas satisfações, os meus sentidos, a minha alma, o meu corpo, a minha vontade e liberdade. Aceitai-me; e não me desprezeis, como o merecia, por ter tantas vezes desprezado a vossa amizade. — Virgem Santíssima e minha Mãe, Maria, pedi a Jesus por mim; em vossa intercessão deposito toda a minha confiança. (II 59.)

Eccles. 1, 2.
2. Luc. 12, 20.
3. Prov. 8, 17.
Meditações: Para todos os Dias e Festas do Ano: Tomo II – Santo Afonso
http://catolicosribeiraopreto.com/vaidade-do-mundo/#more-12934

09/04/2018

APARIÇÃO DE JESUS RESSUSCITADO A SUA MÃE MARIA SANTÍSSIMA




Secundum multitudinem dolorum meorum in corde meo, consolationes tuae laetificaverunt animam meam — “Segundo as muitas dores que provou o meu coração, as tuas consolações alegraram a minha alma” (Ps. 93, 19).



Sumário. Era de justiça que Maria Santíssima, que mais do que qualquer outro tomou parte na Paixão de Jesus Cristo, fosse também a primeira a gozar da alegria da sua ressurreição. Imaginemos vê-la no momento em que lhe aparece o divino Redentor glorificado, acompanhado de grande multidão de Santos, entre os quais São José, São Joaquim e Santa Ana. Oh! Que ternos abraços! Que doces colóquios! Alegremo-nos com a nossa querida Mãe e digamos-lhe: Regina coeli, laetare, alleluia — “Rainha dos céus, alegrai-vos, aleluia!”.
****************************
Entre as muitas coisas que Jesus Cristo fez e os Evangelistas passaram em silêncio, deve, com certeza, ser contada a sua aparição a Maria Santíssima logo em seguida à sua ressurreição. Nem necessidade havia de referi-la, porquanto é evidente que o Senhor, que mandou honrar pais e mães, foi o primeiro a dar o exemplo, honrando sua Mãe com a sua presença visível. Demais, era de inteira justiça que o divino Redentor glorificado fosse, antes de mais ninguém, visitar a Santíssima Virgem; a fim de que, antes dos outros e mais do que estes, participasse da alegria da ressurreição quem mais do que os outros participara da paixão.
Um dia e duas noites a divina Mãe ficou entregue à dor pela morte do Filho, mas firme e imóvel na fé da ressurreição; e quando começou a alvorecer o terceiro dia, posta em altíssima contemplação, começou com ardentes suspiros a suplicar ao Filho que abreviasse a sua vinda.
Enquanto está assim absorta nos seus veementíssimos desejos, eis que o seu divino Filho se lhe manifesta em toda a sua glória e claridade; fortalecendo-lhe a vista, tanto a do corpo como a da alma, para que fosse capaz de ver e de gozar a divindade. Oh! Com tão bela aparição como não devia sentir-se satisfeita e contente! Quão ternamente não deviam abraçar-se Filho e Mãe! Quão doces e sublimes não devia ser os colóquios que trocavam!
Avizinhemo-nos, em espírito, de Nossa Senhora, que é também nossa Mãe, e roguemos-lhe que nos permita beijar as chagas glorificadas de Jesus Cristo. — Colhamos deste mistério, como são recompensados por Deus aqueles que acompanham Jesus até ao Calvário, quer dizer, que Lhe são fiéis nas tribulações. Cada um pode fazer suas as palavras da Bem-aventurada Virgem: Secundum multitudinem dolorum meorum, consolationes tuae laetificaverunt animam meam — “Segundo as minhas muitas dores, as tuas consolações alegraram a minha alma”.
Em companhia de Jesus, seu Filho, a divina Mãe viu grande número de Santos, entre os quais o seu Esposo São José, e os seu santos pais, Joaquim e Ana. — Alegraram-se todos com ela, reconhecendo-a por verdadeira Mãe de Deus e agradecendo-lhe os trabalhos e dores sofridas pela Redenção de todos. — Oh! Que satisfação não devia sentir a Virgem, vendo o fruto da Paixão do Filho em tantas almas resgatadas do limbo. Enquanto ela se regozija com Jesus Cristo por tão grande conquista, os anjos ali presentes, ledos e jubilosos, solenizam o dia cantando com melodia celeste: Regina Coeli, laetare, alleluia — “Rainha do céu, alegrai-vos, aleluia”. Unamo-nos aos coros dos anjos, unamo-nos com todos os fiéis da Igreja, para nos congratularmos com a divina Mãe, e cantemos também: Regina Coeli, laetare, alleluia.
“Rainha do céu, alegrai-vos; porque o que merecestes trazer em vosso puríssimo seio, ressuscitou como disse. Alegrai-vos, mas ao mesmo tempo, rogai por nós, para que sejamos dignos de ir cantar um dia no reino da glória o eterno alleluia.
“É o que vos peço também, ó Eterno Pai. Sim, meu Deus, Vós que Vos dignastes alegrar o mundo com a ressurreição do Vosso Filho e Senhor nosso Jesus Cristo, concedei-nos, Vos suplicamos, que pela Virgem Maria, sua Mãe, alcancemos os prazeres da vida eterna. Fazei-o pelo amor do mesmo Jesus Cristo.” (1)
1.     Antiph. temp. pasch.
 Meditações: Para todos os Dias e Festas do Ano: Tomo II – Santo Afonso
http://catolicosribeiraopreto.com/aparicao-de-jesus-ressuscitado-a-sua-mae-maria-santissima/#more-12884


O showmício de um ladrão e a complacência de um clero corrompido.


Por FratresInUnum.com – 7 de abril de 2018.
Foi desolador. Como exprimir em termos mais lacônicos o sentimento do povo católico diante de um bispo apoiando um criminoso público?
Foi toda uma semana tensa. Sedenta de justiça, a população aguardava um julgamento imparcial do STF. A decisão rompeu na madrugada. A nação estava em pé!
Prisão promulgada. Mas, ao invés de se entregar, o criminoso, condenado em segunda instância, quis dar o seu espetáculo, às custas da Igreja.
Como se podem prestar a isso esses eclesiásticos, capitaneados por Dom Angélico Sândalo Bernardino, bispo emérito de Blumenau, e que, por ser emérito, pouco tem a perder? Quantos bispos titulares o estavam apoiando pelas costas? Quantos incentivos? Quantas presenças ausentes? Quanto respaldo silencioso, mas eloqüentemente sentido!
Aqui, não se trata mais de orientação política, mas de justificação do crime, de oposição aberta à justiça. À sombra da Cruz, da Santa Cruz! Obstinado e sacrilegamente.
O fanatismo do clero progressista brasileiro já lhe cegou a razão. Emprestam o que resta de sua autoridade moral a um bandido e não percebem que se destroem em o fazendo. O povo não suporta mais este clero vendido aos interesses socialistas. Infiltração é coisa do passado. Agora, trata-se de ostensiva profissão de fé no messianismo lulo-petista.
O déficit que a Igreja no Brasil sofre com isso não é mais dissimulável. Desgostosos, os fieis não têm mais a quem recorrer. Resta-lhes gritar uns aos outros para terem, ao menos, o consolo de se ouvirem para perceberem que não estão loucos.
Dizem que a maioria dos bispos brasileiros não é mais petista, reclamam que se trata de uma minoria bem articulada, alegam que não é justo imputar a todos o desvio de alguns. Contudo, por que essa suposta maioria não se levanta? Por que não toma distância pública e abandona à iniciativa meramente pessoal esses fundamentalistas adoradores de Lula? Não é verdade que “quem cala consente”?
Hoje, presenciamos uma das cenas mais vergonhosas da história recente da Igreja no Brasil: um bispo sujando sua estola naquele palanque! Obviamente, o espetáculo religioso-circense é apenas a exposição daquilo que é uma realidade há décadas. Lula e o PT são filhotes dos bispos da Teologia da Libertação!
Estamos às portas de uma Assembleia da CNBB, a realizar-se a partir da próxima semana. Seria demais pedir aos bispos que usem de bom senso, que tenham “cheiro de ovelha”, que sigam o povo brasileiro, que abandonem essa ideologia maldita que instrumentalizou a nossa religião, que se convertam a Deus para não se destruírem, destruindo a fé herdada de nossos pais?
A quem recorrer? Sinceramente, não sabemos mais. Há uma descrença no ar. O povo não confia mais em seus pastores. Pelo muito gritar e pelo pouco se ouvir, as ovelhas não aguentam mais. E a tendência é se dispersarem e se aglutinarem em torno de quem pregue aquela doutrina que lhes soe mais familiar aos ouvidos.
Aos nossos leitores, alentamos a que não desanimem. Continuemos a lutar por nossa fé, por nossa Igreja, por Nossa Senhora, que nos assegurou em Fátima: “por fim, o meu Imaculado Coração triunfará”.
Escreva ao núncio apostólico, solicitando-lhe que exorte os nossos bispos a não mais agredirem a sensibilidade moral do nosso povo. Nós já somos tão humilhados, tão pobres, tão sacrificados! Com fatos como o de hoje nos sentimos ainda mais pequenos, completamente insignificantes.
Basta! Chegou a hora de nos levantarmos e de extirparmos da nossa Igreja o câncer do socialismo, de retomarmos a nossa religião, de darmos voz aos verdadeiros pastores, de hastearmos nossas bandeiras católicas, de devolvermos à nossa Igreja a glória que um dia lhe pertenceu.
Não basta colocarmos Lula na cadeia, precisamos expulsar os seus progenitores dos intestinos das nossas sacristias! Levantemo-nos! Vamos! E que Nossa Senhora nos ajude! Deus salve a Igreja!

CATECISMO DE SÃO PIO X – DOS EXERCÍCIOS PIEDOSOS QUE SE ACONSELHAM AO CRISTÃO PARA CADA DIA


Resultado de imagem para catecismo de são pio x
969) Que deve fazer um bom cristão, pela manhã, apenas acorda?
Um bom cristão, pela manhã, apenas acorda, deve fazer o sinal da Cruz, e oferecer o coração a Deus, dizendo estas ou outras palavras semelhantes: Meu Deus, eu vos dou o meu coração e a minha alma.
970) Em que deveríamos pensar ao levantar da cama e enquanto nos vestimos?
Ao levantar da cama e enquanto nos vestimos, deveríamos pensar que Deus está presente, que aquele dia pode ser o último da nossa vida; e entretanto levantar-nos e vestir-nos com toda a modéstia possível.
971) Depois de se levantar e de se vestir, que deve fazer um bom cristão?
Um bom cristão, apenas se tenha levantado vestido, convém pôr-se na presença De Deus e ajoelhar, se pode, diante de alguma devota imagem, dizendo com devoção: “Eu Vos adoro, meu Deus, e Vos amo de todo o coração; dou-Vos graças por me terdes criado, feito cristão e conservado nesta noite; ofereço-Vos todas as minhas ações, e peço-Vos que neste dia me preserveis do pecado, eme livreis de todo o mal. Assim seja”. Reza depois o Padre-Nosso, a Ave-Maria, o Credo, e os atos de Fé, de Esperança e de Caridade, acompanhando-os com um vivo afeto do coração.
972) Que práticas de piedade deveria fazer todos os dias o cristão?
O cristão, podendo, deveria todos os dias:
1o assistir com devoção à santa Missa;
2º fazer uma visita, por breve que fosse, ao Santíssimo Sacramento;
3º rezar o terço do santo Rosário.
973) Que se deve fazer antes do trabalho?
Antes do trabalho, convém oferecê-lo a Deus, dizendo do coração: “Senhor, eu Vos ofereço este trabalho, dai-me a vossa bênção”,
974) Para que fim se deve trabalhar?
Deve-se trabalhar para glória de Deus e para fazer a sua vontade.
975) Que convém fazer antes da refeição?
Antes da refeição convém fazer o sinal da Cruz, estando de pé, e depois dizer com devoção: “Senhor, abençoai-nos a nós e ao alimento que vamos tomar, para nos conservarmos no vosso santo serviço”.
976) Depois da refeição, que convém fazer?
Depois da refeição, convém fazer o sinal da Cruz, e dizer: “Senhor, eu Vos dou graças pelo alimento que me destes; fazei-me digno de participar da mesa celeste”.
977) Quando nos vemos atormentados por alguma tentação, que devemos fazer?
Quando nos vem os atormentados por alguma tentação, devemos invocar com fé o Santíssimo Nome de Jesus ou de Maria, ou recitar fervorosamente alguma oração jaculatória, como, por exemplo: “Dai-me a graça, Senhor, que eu nunca Vos ofenda”; ou então fazer o sinal da Cruz, evitando porém que as outras pessoas, pelos sinais externos, suspeitem da tentação.
978) Quando uma pessoa reconhece ou duvida que cometeu algum pecado, que deve fazer?
Quando uma pessoa reconhece, ou duvida que cometeu algum pecado, convém fazer imediatamente um ato de contrição, e procurar confessar-se quanto antes.
979) Quando fora da Igreja se ouve o sinal de elevação da hóstia naMissa solene, ou da bênção do Santíssimo Sacramento, que se deve fazer?
É bom fazer, ao menos com o coração, um ato de adoração, dizendo, por exemplo: “Graças e louvores se dêem a todo o momento ao Santíssimo e diviníssimo Sacramento”.
980) Que se deve fazer quando tocam às Ave-Marias, pela manhã, ao meio-dia e à noite?
Ao toque das Ave-Marias, o bom cristão recita o Anjo do Senhor com três Ave- Marias.
981) A noite, antes de deitar, que devemos fazer?
À noite, antesxde deitar, convém pôr-nos, como pela manhã, na presença de Deus, recitar devotamente as mesmas orações, fazer um breve exame de consciência, e pedir perdão a Deus dos pecados cometidos durante o dia.
982) Que haveis de fazer antes de adormecer?
Antesde adormecer, farei o sinal daCruz, pensarei que posso morrer naquela noite, e oferecerei o coração a Deus, dizendo: “Meu Senhor e meu Deus, eu Vos dou todo o meu coração. Trindade Santíssima, concedei-me a graça de bem viver e de bem morrer. Jesus, Maria e José eu Vos encomendo a minha alma”.
983) Além das orações da manhã e da noite, por que outra forma se pode recorrer a Deus no decurso do dia?
No decurso do dia pode-se invocar a Deus freqüentemente com outras orações breves, que se chamam jaculatórias.
984) Dizei algumas jaculatórias.
Senhor, valei-me; – Senhor, seja feita a vossa santíssima vontade; – Meu Jesus, eu quero ser todo vosso; – Meu Jesus, misericórdia; – Doce Coração de Jesus, que tanto nos amais, fazei que eu Vos ame cada vez mais; – Doce Coração de Maria sede minha salvação.
985) É útil recitar, durante o dia, muitas jaculatórias?
É muito útil recitar, durante o dia, muitas jaculatórias, e podem recitar-se também com o coração, sem proferir palavras, caminhando, trabalhando, etc.
986) Além das orações jaculatórias, em que outra coisa deveria exercitar-se com frequência o cristão?
Além das orações jaculatórias, o cristão deveria exercitar-se na mortificação cristã.
987) Que quer dizer mortificar-se?
Mortificar-se quer dizer privar-se, por amor de Deus, daquilo que agrada, e aceitaro que desagrada aos sentidos ou ao amor próprio.
988) Quando é o Santíssimo Sacramento levado a um enfermo, que se deve fazer?
Quando é o Santíssimo Sacramento levado a algum enfermo, devemos, sendo possível, acompanhá-Lo com modéstia e recolhimento; e, se não é possível acompanhá-Lo, fazer um ato de adoração em qualquer lugar que nos encontremos, e dizer: “Consolai, Senhor, este enfermo, e concedei-lhe a graça de se conformar com a vossa santíssima vontade. e de conseguir a sua salvação”,
989) Ouvindo tocar o sino pela agonia de algum moribundo, que haveis de fazer?
Ouvindo tocar o sino pela agonia de algum moribundo, irei, se puder, à igreja orar por ele; e, não podendo, encomendarei a Nosso Senhor a sua alma, pensando que dentro em breve tempo hei de encontrar-me também eu naquele estado
990) Ao ouvir sinais pela morte de alguém, que haveis de fazer?
Ao ouvir sinais pela morte de alguém, procurarei rezar um De profundis ou um Réquiem, ou um Padre-Nosso e uma Ave-Maria, pela alma daquele defunto, e renovarei o pensamento da morte.
(*) Esta pergunta alude ao uso que se conserva em algumas terras, de dar um sinal no sino, quando um enfermo entra em agonia.

http://catolicosribeiraopreto.com/catecismo-de-sao-pio-x-dos-exercicios-piedosos-que-se-aconselham-ao-cristao-para-cada-dia/